“O que Bolsonaro pretende com o excludente de ilicitude para policiais”

APRA mini novo

 

.

“Policiais precisam ser valorizados, mas especialistas não veem proposta do candidato como o melhor caminho para esse fim”

“Presença constante nas falas de Jair Bolsonaro (PSL) antes mesmo de sua candidatura à Presidência da República ser oficializada, o excludente de ilicitude para policiais em serviço é uma das frentes do plano de governo do presidenciável no que diz respeito à segurança e ao combate à corrupção. Segundo Bolsonaro, precisa-se desse tipo de proposta porque “muitos desses [policiais em operação] morrem porque não atiram, porque se atirar vão para a cadeia”.

O plano de governo do candidato traz o seguinte:

Policiais precisam ter certeza que, no exercício de sua atividade profissional, serão protegidos por uma retaguarda jurídica. Garantida pelo Estado, através do excludente de ilicitude. Nós brasileiros precisamos garantir e reconhecer que a vida de um policial vale muito e seu trabalho será lembrado por todos nós! Pela Nação Brasileira!

É preciso frisar que a Parte Geral do Código Penal (CP), em seu artigo 23, já prevê hipóteses de excludentes de ilicitude para todos os cidadãos, incluídos aqui os policiais, e aplicáveis a qualquer delito. São situações em que, falando de forma grosseira, o indivíduo teria “autorização” para cometer um crime. Pela legislação penal brasileira que vigora atualmente, não são puníveis as infrações cometidas I) em estado de necessidade, II) em legítima defesa e III) em estrito cumprimento do dever legal ou no exercício regular de direito.

O fato de um sujeito agir amparado em um excludente de ilicitude, contudo, não significa que ele automaticamente se livrará de uma punição. Conforme explicou, em matéria anterior do Justiça, o advogado e professor de Direito Penal do Centro Universitário Curitiba (Unicuritiba) Gustavo Scandelari, é a Justiça que decide se o ato realmente foi praticado em uma das situações previstas no artigo 23 do Código Penal. Isso quer dizer que a polícia é obrigada a iniciar uma investigação e o Ministério Público deve apresentar denúncia, cabendo ao juiz arquivar o processo, após uma análise de fatos e provas, geralmente testemunhais, se entender que o caso é abarcado por uma das hipóteses de exclusão da ilicitude.

Leia também: Legítima defesa e resistência à tirania não justificam porte de rifles de assalto

A reportagem tentou contato com a campanha do candidato a fim de se aprofundar nessa proposta específica, mas não obteve sucesso. Declarações do candidato à mídia, como na entrevista concedida ao Jornal Nacional no último mês de agosto, e o projeto de lei apresentado à Câmara dos Deputados pelo então deputado federal em fevereiro, contudo, levam a crer que o que Bolsonaro almeja é que a excludente de ilicitude seja aplicada automaticamente a policiais que, eventualmente, matem em serviço, sem necessidade de investigação.

“Isso é bastante preocupante no sistema democrático porque bagunça a ordem do processo legal. O controle da atividade policial e do uso da força pelas polícias é necessário, inclusive, para o bom funcionamento das instituições policiais”, opina David Marques, coordenador de projetos do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Na visão de Marques, para que a polícia possa fazer um controle da criminalidade, ela também precisa passar por um controle – tanto interno, por parte das corregedorias, quanto externo, por parte do Ministério Público, Justiça e da própria sociedade.
Sorry, the video player failed to load.(Error Code: 101104)
“É necessário ter elementos técnicos de avaliação para saber se a polícia está atuando de acordo com os marcos legais e constitucionais. [Sobre a proposta de Bolsonaro] É como se você quisesse trazer para a legislação uma situação que já existe, mas com a lógica invertida, para fazer frente em relação a um discurso social de pouca valorização policial”, complementa.

Do ponto de vista técnico-jurídico, o advogado e professor de Direito Penal Marcelo Lebre argumenta que um projeto com esse propósito sequer passaria pelas Comissões de Constituição e Justiça do Congresso, pois viola tanto o devido processo legal quanto a presunção de inocência, garantias constitucionais. Isso porque ninguém tem “licença para matar” sem que haja uma análise posterior do caso, já que, numa operação policial, todos são tratados como suspeitos.

Leia também: O que Bolsonaro propôs para o (des)armamento enquanto deputado

“É o juiz o único que tem o poder de dizer, e em decisão fundamentada, que alguém é culpado ou inocente”, diz o professor.

Em entrevista ao Globo na última terça-feira (16), Luiza Frischeisen, subprocuradora-geral da República, deu declaração no mesmo sentido: “a excludente de ilicitude já existe, mas depende de prova. Qualquer um pode dizer que é legítima defesa. Mas, para comprovar, é preciso ter inquérito, investigação”.

Letalidade policial em números
Para Marcelo Lebre, a proposta de Bolsonaro é mais “propagandista” do que técnica. Além de o candidato não abordar de forma mais aprofundada o tema, a legislação, do jeito como está posta hoje, já garante a retaguarda jurídica almejada por Bolsonaro. Tanto o é que é pequeno o número de policiais militares que são presos por suspeita de homicídio.

Tome-se como exemplo São Paulo, unidade da federação com o maior número absoluto de policiais militares – no início de 2017 eram 86,3 mil PMs, cerca de 92,7% do efetivo ideal para o estado. Segundo levantamento do UOL, desde 2014, São Paulo mantém uma média de 25 policiais militares presos por ano suspeitos de cometer homicídio.

O número é baixo não apenas se comparado à quantidade de oficiais no estado, mas também quando se observa o número de mortes decorrentes de ações policiais. A edição de 2018 do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, produzido com dados de 2017, mostra que 643 civis foram mortos em São Paulo durante operações envolvendo policiais militares. Em contrapartida, é 11 o número de PMs que morreram em serviço no estado no mesmo período.

No Brasil, foram 5.144 indivíduos mortos em intervenções policiais (tanto da Polícia Civil quanto Militar) e 367 policiais (civis ou militares) mortos em serviço. Nos Estados Unidos, país constantemente citado como exemplo por Bolsonaro, foram 987 suspeitos mortos em confrontos policiais em 2017. Já o número de oficiais que morreram em serviço foi de 137.

Marques lembra, no entanto, que a polícia norte-americana goza de índices de confiança maiores perante a população em comparação ao Brasil, onde se privilegia muito o policiamento ostensivo, realizado pelos policiais militares, em detrimento de um policiamento mais investigativo. Mas não seria possível, segundo o pesquisador, melhorar o cenário “tirando controles mínimos da atuação policial”, mas sim valorizando a categoria.

“Resolve-se o problema aproximando a polícia da comunidade. Além disso, se o que se quer é uma política de segurança pública que preze pela questão técnica e pelos resultados, necessariamente é preciso articular isso com outras políticas públicas. Se você consegue trabalhar as políticas de segurança para além das polícias, e equalizar melhor esse balanço entre Polícia Militar e outras políticas públicas, é possível, sim, ter resultados melhores e que não vão depender do PM, na maior parte das vezes, na ponta, trocando tiros com [supostos] criminosos”, pontua o coordenador de projetos do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.”
Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/justica/o-que-bolsonaro-pretende-com-o-excludente-de-ilicitude-para-policiais-8j4jkej6pzyqsl5hhfd0mxo14/#social2_comentario_form
Copyright © 2018, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

What Next?

Recent Articles

Leave a Reply

You must be Logged in to post comment.